Notícias

Visita do Príncipe de Gales ao Paraná completou 90 anos


Brasil Net

Edward III, junto ao seu irmão, o príncipe Albert, visitaram Cornélio Procópio e ao chegar, o Príncipe de Gales pediu uma cerveja brasileira

Foto: Ninger Ovidio Marena/Acervo
Moradores de Cornélio Procópio com a comitiva real em março de 1931

Há 90 anos o norte do Paraná recebeu visitas ilustres. Estiveram por esta região o Príncipe de Gales, Edward III, que na época era preparado para assumir o trono do Reino Unido e de seu irmão, o príncipe Albert, pai da rainha Elizabeth II, que assumiu o trono logo após o irmão mais velho abdicar da coroa para se casar com uma plebéia desquitada e norte-americana.

Cabe salientar que o drama vivido pelo príncipe Albert, que tinha problemas na fala e precisava se comunicar perfeitamente com a nação do Reino Unido durante a Segunda Guerra Mundial, é retratada no filme “O Discurso do Rei”, de 2010.

 Era 1931 e cidades da região começavam a se desenvolver com a chegada da ferrovia. A construção da linha do trem foi possível porque grandes agricultores da época contaram sobre a fertilidade do solo e as riquezas que poderiam ser geradas para empreendedores ingleses. A partir da influência de Lorde Lovat é que a família real Britânica passou a investir no estado.

A comitiva britânica esteve no Paraná nos dias 30 e 31 de março de 1931, depois dos príncipes conhecerem o Rio de Janeiro.

A visita não foi oficial, o Príncipe de Gales, que era chamado de 'grande agente de vendas', quis conhecer o local onde o governo britânico estava investindo dinheiro e como estava a construção da ferrovia que ligava o Paraná ao interior de São Paulo.

Os príncipes chegaram em Cambará e depois seguiram para Cornélio Procópio. A visita real é relembrada pelo historiador Ninger Ovidio Marena, autor do livro "Uma Trem para Leoflora".

Neste resgate histórico, o Ninger Marena descobriu que o Príncipe de Gales era uma pessoa sem pompa ou exigências mirabolantes. Em terra paranaense ele pediu cerveja, recusou grande banquete de boas-vindas e falou em espanhol com operários que estavam construindo a linha do trem.

"Descobri um ferroviário que estava presente na visita do príncipe e também conversei com Braulio Barbosa Ferraz, que era o último filho vivo de Barbosa Ferraz, em 1979. Quando chega ao Paraná, o príncipe vai visitar a fazenda de Barbosa Ferraz e passa quase o dia todo em Cambará. No fim do dia, ele segue para Cornélio Procópio e quando chega à estação, Edward III pede ao general se tinha uma cerveja brasileira", lembrou o historiador.

Em Cornélio Procópio, a visita agitou a cidade nos dias que antecederam a chegada da comitiva. Moradores construíram um pórtico de madeira, esculpiram a palavra "Welcome" e instalaram lâmpadas, para que na hora que o futuro rei da Inglaterra chegasse tivesse uma boa impressão. No entanto, as luzes não acenderam.

Nos planos originais, o Príncipe de Gales e o pai da rainha Elizabeth II seguiriam de Cornélio Procópio até Londrina, que à época se chamava Patrimônio Três Bocas, de carro. Eles seriam recebidos com festa em um hotel. Entretanto, uma chuva forte impediu os visitantes de seguirem rumo à capital do Café.

"O pessoal de Londrina ficou decepcionadíssimo porque todos achavam que ele chegaria em Londrina. Mas, lamentavelmente, chovia muito e como a estrada estava muito lisa, a floresta era muito densa, isso não aconteceu", detalhou Ninger Ovidio Marena.

Mesmo com a estrada escorregadia, o príncipe e a comitiva seguiram em direção à Jataizinho. Os carros derraparam bastante no trajeto e eles decidiram retornar. O Príncipe de Gales voltou a pé.

CN INSTITUCIONAL


Fonte: *Redação Cornélio Notícias, com informações do G1 Paraná